segunda-feira, 11 de abril de 2011

Projeto 52 perguntas para abrir sua mente

Respondendo a pergunta 04 do projeto, que nesta semana estä na pergunta 15.


4. Se a vida é curta, porque fazemos muitas coisas que não gostamos e gostamos de muitas coisas que não fazemos?

Confesso que com cada pergunta desse projeto levo um tapa na cara.

A vida é curta sim, e ainda fazemos o favor de não aproveitá-la.

Fazemos muitas vezes para agradar aos outros aquilo que não gostamos. Abrimos mão daquilo que gostamos para que o outro se sinta bem. Falo por experiência própria, já abri e ainda abro mão de fazer o que gosto, de falar o que penso em prol de agradar, e digamos que para não “contrariar” certas pessoas. Me calo quando deveria falar, não faço quando deveria fazer.

Peco quando muitas vezes me faço de durona e falo que tudo o que quero eu faço, eu falo, me meto a besta e quebro a cara, porque na hora do vamos ver, muitas vezes não faço/falo nada daquilo que bati no peito dizendo que faria.

Não que eu viva sempre assim, deixando em segundo plano as minhas vontades, fazendo somente o que eu não goste, adéquo aquilo que eu gosto, mas que preciso abrir mão, para que eu possa conviver na política da boa convivência e não ser tachada como a jararaca, incompreensiva, mal educada/humorada etc...

E gostar daquilo que não fazemos ainda é pior.
 Gostar de sofrer por alguém que não te ama, chorar pelos cantos e não ter coragem de se declarar, talvez por medo de ganhar um não? Quem nunca passou por isso?
 Gostar de se lamentar pelo leite derramado, quando o que deveria ter sido feito, não se fez.

O bom disso tudo é que podemos a cada dia rever o que já se passou e tentar ao menos melhorar, gostar mais de si, viver mais para a felicidade própria do que para a felicidade alheia.

Imagem retirada do blog Devaneios e Metamorfoses


Quem se interessar em conhecer, ficar por dentro das regras e participar do projeto clica AQUI, conheça um blog cheio de reflexões e uma pessoa bem cabeça a Pri.



7 comentários:

Pri Sganzerla disse...

Que bom que vc está aproveitando o projeto! A ideia é essa mesmo: refletir! :-) E, por sinal, adorei esta reflexão específica do seu texto.

Bjos!

Tina disse...

Oii Pri

To aproveitando bastante o projeto, cada pergunta uma reflexão, uma lição. Me faz bem, sabe.

Bjs...

Telma Maciel disse...

Bacana essa pergunta. bem difícil, na verdade, rs. Mas acho q é bem o q vc falou: fazemos o que não gostamos pra ser aceita, pra não magoar os outros. Às vezes nos esquecemos q tbm temos desejos e valores próprios...
Deixamos de fazer o que gostaríamos pq... bem, pq a gente tem medo, né? Medo da POSSIBILIDADE de não dar certo... ai, ai... quem dá conta? rs
Beijoo

Tina disse...

Oi Tina
Pois é...sou assim mesmo...
Penso muito nos outros, em não contrariar, em não magoar,o que vão pensar etc
E a vida vai passando...e muitas vezes nem me lembro mais nem mesmo do que eu gosto?
Quero fazer só o que a familia gosta, da forma que eles gostam, e eu? e o "meu" gosto?...como é que fica?
Nunca é tarde para mudar, mesmo já sendo "pré-idosa" vou mudar...pensar mais em mim rsrsrs
beijinhos
Tina (SONHAR E REALIZAR)

Tays Rocha disse...

Tina, essas perguntas e reflexões são mais do que necessárias prá que de tempos em tempos a gente consegui fazer um balanço de quem somos, como estamos e o que queremos prá nós mesmos. Eu com muito custo estou aprendendo a dizer não, a priorizar mais o que eu quero e penso e menos os outros. Isso é hábito, um exercício diário! Beijocas ♥

Drika disse...

Mto legla o post... a vida é assim mesmo, nem sempre conseguimos fazer tudo o que queremos, ou dizemos q vamos fazer... mas acho que o impirtante é sempre repensar, analisar... e ver o quanto isto vale a pena, e se não estamos nos anulando para agradar alguém... Bjkas
@Drika_Ribeiro
http://gavetinhasdadri.blogspot.com/

Souza disse...

O amor é um acontecimento tão importante na nossa vida, que frequentemente nos parece, que só ele nos confere o direito de viver. Neste momento podemos acreditar que a nossa vida parou e que só vivemos em função da outra pessoa, na verdade não e bem assim, acredito que as pessoas possam viver e ter sua vida como antes, logico que o bom senso deve ser mantido, cada pessoa precisa ter também o seu espaço para de vez em quando refletir um pouco sobre tudo que ocorre.

Neste mundo, num contexto de pecado não existe amor sem sofrimento, sem dor, sem negação do eu. E isso é cristianismo, e não humanismo. Quando Cristo vive em mim, vivo não mais eu. Mas Seu Espírito coloca dentro de mim o amor que não possuo. Por isso, quem quiser experimentar as alegrias do amor vai ter que, eventualmente, aprender com Deus a fazer como Ele, suportar as dores do amor e amar, talvez, a quem não mereça esse amor.
O namoro precisa mesmo ser renovado. Ele precisa ser renovado toda manhã, quando cada um comparece sozinho à presença de Deus, pede e recebe a dose de amor daquele dia para compartilhar com o seu amor.
“É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã, porque se tu parares para pensar, na verdade não há."